sexta-feira, fevereiro 24, 2006


WPI Report: Back at Home

WPI Essay
Raphael Gomide

February, 2006

Changes and Readaptation
I am still readapting to my life as a journalist back at home. I’ve changed jobs and I assume it takes a little while to adjust. The fact that I left O DIA upset some of my former editors, who took it personally in a way and could not see that it was essencially a professional and necessary move for me.
Especially after the four months in the US with WPI I was positive that I was not to stay at the same paper, which for 2 years had been great, supported and helped me become a better journalist. Unfortunately, since Feb 2005, the new director implemented a new editorial orientation to which I could not agree less. The newspaper became more of a tabloid: sensationalist, biast and sometimes irresponsible. All the power to the Police Section and the Political Section, for which I worked, was reduced from ten to four professionals, as was our space in the paper dramatically decreased. In the first month and a half, I had six stories embargoed due to political/economical/God knows why reasons. Suddenly I could no longer write about the Brazilian president, the president of the State Legislature, the Governor and some of the most important mayors in the State. Even though the editor-in-chief, second in hierarchy, reassured me that I could work in whichever area I chose, I knew I no longer agreed to what was being done.

The Right and Necessary Move
It was obvious even before I left Rio that the newspaper’s agenda and mine were no longer the same, but WPI fellowship, all the seminars and talks with some of the best journalists in the US made me see it even clearer. When I was offered a job at the Rio bureau of Folha de S.Paulo, the top Brazilian newspaper, I could not wait to move ahead. Folha is an investigative, “picky” paper, concerned about the best journalism. My views of the profession, its principles and ethics, strengthened by the fellowship, are those of Folha. That’s why I am happy to be there now and no longer where I was before.
The beginning is always hard. I am still getting reconnected with some of my sources, since I also ended up just actually restarting work in January. Most people tell me I am doing very well, but I am very selfdemanding and wish I had been doing more. I know I am a better journalist now than I was before and that also makes me even more exigent toward myself, since I believe to be able to do more now than before the fellowship.

Difficulties and Good Perspectives

The fact of working for a branch office makes a difference. Besides the fact that one is not so close to the decision makers, some topics that used to be news for me, working for a State newspaper, are no longer so interesting for a national paper based in São Paulo.
Nevertheless, Folha offers a possibility which I’ve always been interested in, that of becoming a foreign correspondent. Unlike other publications, that have very experienced reporters as correspondents, it also encourages young journalists in their late 20’s and early 30’s to go abroad and work as correspondents. And I consider myself to be ready for this task now. Much of this confidence is due to the knowledge, readings and experience I got from my 4-month stay in the US with WPI. It gave me a broad view of the country that I can compliment with my previous experience as an exchange student, 12 years earlier, in Oklahoma. I believe I’ve learned a lot about the US – as a foreigner – and the way it is and works. Our trip and activities showed me dozens of things that I had no idea about, made me see others I thought I knew but I didn’t, and changed my mind about various issues and preconcepts that one is likely to have. I feel now that I am capable of pointing out the mistakes of the speech of those who talk about America based on myths, stereotypes and prejudice – for the good or the evil.

Experiences and Possible Plans
I enjoyed the fact that, during my stay, I wrote a blog ( telling in a journalistic way stories that I researched, comments and observations about the trip, America and Americans while traveling. I repute it as a fundamental tool to help me rationalize and organize my thoughts about the overwhelming number of interesting activities, events and people we met during the period we were there. Even though it made me work very hard on the scarce free time in the US beetween meetings and planes, it was definitively worthwhile and pleasant. Looking over the stories on the blog – by now “frozen” –, I revive my days and experiences. Many friends and family heard about me during the 4 months through the blog and enjoyed it. I thought the stories and posts were done in a light, nice and informative way, that pleased as well as “taught” the readers something. Unfortunatel, it is mostly in Portuguese – a beautiful language, by the way.
Some people have encouraged me to transform it into a book. My idea would be to add as many as 20 or so stories that I had in mind but didn’t have enough time to include on the blog due to the intense rythm of travels and visits. It may sound obnoxious, but I believe it would be interesting for young Journalism students to read about some of the most famous news organizations and to learn, through my eyes and experience, about tips and techniques developped and used by some of the best journalists in America. I am thinking about submitting the idea – after I’ve gotten it clearer – to a private university that could sponsor the book, so as to use it with their students. I think that would also be interesting advertising for WPI in Brazil, amongst journalists and students. That’s a wish I have and hope to have time to make it come true.

“The Interpreter”
Another consequence of my trip is funny, in a way. Something that already happened before has become more frequent: I am now "the guy who speaks English" in the newsroom, playing the role of “the language expert”, so to speak... and I am requested to help out colleagues with interviews or am sent to speak to foreigners when they come to Rio (although many of my co-workers speak English).
I have also been consulting more international websites in order to learn about different issues, which certainly broadens my views when writing an article, making it more complete and accurate, as well as those of my paper’s readers. I wish I could and had time to check more international websites, though.

More Research and the Colombo Method
I’ve also noticed that I’ve become even more demanding when it comes to writing an article. I try to speak to as many people as possible and to research as much as I can in order to have the information as accurate and precise as it should be. When it comes to wrongdoing stories, I am more concerned about listening early to the other side and printing it as part of the story, giving them actual voice. The fact that my paper enforces it and tipically reserves a title or box for it certainly encourages me to that practice. In other cases and newspapers, the rush and lack of demands from editors often give the “targets” a lower importance, and it has also happened to my stories.
On the other hand, something I am still working on is the “Colombo Method”. I still have a hard time applying it on a daily basis, although I’ve heard about its advantages from so many excelent journalists in the US. The fear that they will manipulate data and keep information from public scrutiny makes me many times choose to use the traditional method when researching a story. I assume it might be tougher and longer many times, and I want to practice the Colombo Method, but I am afraid I still resist to it a little. I want to try it when possible, though. There’s one specific story I’m after in which I am having a hard time to get done going around the “target”, and that’ll be a good chance for me to test the magic Colombo Method.

Investigative Journalism Issues
Some cultural differences and views of journalism haven’t allowed me to dive into investigative reporting the way we’ve seen it is in the main American papers. Unfortunately, the flow of tasks, lack of reporters and patience of editors leave little time for digging deeper issues athat are not on the headlines. When I first arrived I suggested long term researches such as some we saw in America, at the weekly meetings. My idea was to go through the homicides police investigations of a year in Rio and uncover their flaws and lack of actual investigation that lead to a ridiculous success in finding and arresting murderers responsible for the astonishing 2.500 homicides a year only in the city of Rio de Janeiro – 6.500 in the whole state a year (with half of Rio’s population, Chicago had 155 murders in 2004, the lowest number since 1965 – information collected from a poster at the police precint we visited and posted on my blog). My idea is based on the hipothesis that our police absolutely neglects homicides that happen in favelas, ghettos and in conflicts between crimminals.
It is hard to have time off to research a story that is not planned for the next few days. There’s always another priority. (That’s another reason to implement John Ullmann’s idea of having seminars for editors, in order to convince them of the importance of investigative journalism.) Despite the difficulties, I haven’t forgotten that project and will try hard to get it done, although I am aware it requires time, patience, persistence and some luck in order to be allowed access to that doccumentation that may be “explosive”. I am certainly going to try to use the CAR tools we learned in order to help me with the task.

The US and Worldwide Connections
Another very important aspect of the fellowship experience relates to the connections we have built with international fellows, journalists and professionals we have met in reunions. It opens doors for the future and puts us in a network of journalists that help one another. For instance, I’ve been contacted by an IRP (International Reporting Project) fellow of this semester who’s coming to Brazil in late February, for 5 weeks. She heard about me from IRP and was interested in my slave labor project and in a series of problems related to land conflict, violence and labor issues in Northern Brazil. I’ve helped her out in giving tips, a lot of contacts and offering to talk to some of the people in order to help her understand and move around in that region. I am sure that I will be able to count on her if I need to in the future. Somethings that are easy for us may turn into something difficult for one who does not have the language skills at a high level or knows the right people. We can show the shortcuts and that is a good thing. That is also a lesson we learned from WPI and WPI partners and supporters, who so delightfully volunteered to have us at their houses and offices, helping us either transmitting knowledge or providing us with affection and good will.

I would like to thank again and ever all the WPI staff for your support, dedication and competence, which made this unforgetable and remarkable experience possible for all of us. Many thanks to John Ullmann, Kris Mortensen, Peter Bradley and Suzanne Lechtman.


A volta

Estou de volta no Brasil. Cheguei em 19 de novembro.
Não estou mais no DIA, agora escrevo para a Folha de S.Paulo, a partir da Sucursal do Rio.
É o reinício. Foi aqui que comecei no jornalismo, em 2000, depois de rápida passagem pelo Lance!, como prestador de serviços.
A Folha foi minha escola. Com bons chefes e ótimos repórteres ao redor, aprendi a importância do rigor na apuração, precisão e persistência.
Desde que saí, em 2001, sempre dei graças por ter sido bem orientado lá. Em outras redações, senti falta de orientação para os novos repórteres, abandonados aos próprios erros e sem cobranças de exatidão e apuração intensa.
É uma readaptação. Sinto e sofro as diferenças, procuro entender os caminhos certos e o que querem de mim. Era uma mudança necessária. E o caminho da evolução.

quinta-feira, novembro 10, 2005


Dois em um

Esporte comum em Saint Paul, MN: cooper com carrinho de bebê
Posted by Picasa


O Outono é Amarelo

Folhas de Maple tree
Posted by Picasa


Flagrante: Fall in Minnesota

Estamos no outono. A foto é de uma folha em plena queda
Posted by Picasa


A cara da ira francesa

Posted by Picasa


O Ódio

Mathieu Kassovitz antecipou em 9 anos a onda de violência e vandalismo na França. Ele é o diretor de "La Haine" (O Ódio), duro filme que trata de uma sociedade que insiste em que "até aqui tudo vai bem". E tudo nunca continua como está. Sempre piora, se ninguém faz nada.
Conhecemos bem esta história; os franceses estão conhecendo agora.
É a cobrança da dívida colonial. É fácil imperar, dividir, ocupar.
Argélia, Marrocos, Tunísia, Senegal... Não eram França? Pois. Mas não franceses.
Incômodos imigrantes, eles foram para 'casa'. São os filhos desses solos agora moradores dos subúrbios, muçulmanos, mão-de-obra parisiense.
Falam árabe, falam francês. Escarram francês, cospem palavrões, gritam ódio e ressentimento.
No filme, metáfora, há o árabe, o negro, o judeu.
A anedota que permeia a história tem a seguinte moral:
"É a história de uma sociedade em queda e que 'a medida que cai, repete incessantemente para si mesma, para se certificar: até aqui tudo vai bem, até aqui tudo vai bem, até aqui tudo vai bem. O importante não é a queda, é a aterrissagem." * (Tradução livre)
Que a gente no Brasil não continue a achar que tudo vai bem até aqui.
Ainda pode piorar.

* "C'est l'histoire d'une societé qui tombe et qui au fur et à mesure de sa chute se répète sans cesse pour se rassurer: jusqu'ici tout va bien, jusqu'ici tout va bien, jusqu'ici tout va bien. L'important c'est pas la chute, c'est l'atterissage."

P.S.: Um pied-noir (francês nascido na Argélia) estimado pelos franceses, Albert Camus, escreveu O Estrangeiro, romance sobre um árabe que cometeu um assassinato por quase nada e é condenado talvez porque não tenha chorado no velório e enterro de sua mãe. O começo do livro revela o caráter do personagem. "Hoje, minha mãe morreu, ou talvez ontem."

terça-feira, novembro 08, 2005


Atobá-pardo, Tesourão (ou Alcatraz)

Quem não viu Alcatraz, fuga impossível? Perdeu.
É talvez o único filme de Clint Eastwood em que ele parece ser bom ator, embora interprete o personagem de sempre. É o clássico sobre a mais famosa prisão americana, The Rock, título de filme com Sean Connery.
Abrigou o gângster de Chicago Al Capone, que, segundo outros detentos, perdeu a cabeça mas não a moral em Alcatraz, onde todo mundo era igual - como nem o comunismo conseguiu fazer. Com ele não tinha brincadeira. Era bem maior que Robert de Niro em Intocáveis. "Al Capone era um lutador de rua, um cara grande e em forma, mas sua cabeça estava perdida."
Os 1571 iguais - alguns dos principais criminosos dos EUA - que passaram por lá foram mandados para a ilha próxima de San Francisco, Califórnia para expiar seus pecados. 260 por vez povoavam as celas da ilha.
Um guarda para cada três presos. "Foi feita para ter cada detento sob a mira de uma arma", explica um ex-agente. Os detentos tinham direito a uma visita de 1h40 por MÊS e duas horas livres por SEMANA - uma no sábado e uma no domingo. Além de jogar handball (bola de frescobol batida com a palma da mão contra a parede, espécie de squash com as mãos), softball, xadrez e damas, aproveitavam para bater papo, praguejar e planejar fugas impossíveis. Não podiam fumar nem beber, teoricamente.
Como em toda a sociedade americana na época, Alcatraz era segregada: brancos de um lado, negros de outro. Nada de integração.
O mal do inferno é a proximidade do paraíso. "Não tinha um dia em que você não notasse que diabos estava perdendo, ao ouvir as vozes e ver San Francisco através das grades, a apenas 1 milha de distância. Podia-se ouvir as meninas rindo e todos os sons do mundo livre", conta um preso.
Como tudo na vida, um dia acaba.
"Dia 26 de outubro de 1962, depois de 15 anos sem visitas, eu, Whitey, estava livre. Dei bom dia ao guarda e ele perguntou por quê. 'É um dia bom pra cacete!, porque estou saindo daqui.'
Fiquei trancado por 15 anos, sem visita, sem cartas, sem nada. Me assustei com os carros correndo, as pessoas andando, tudo se movendo tão rápido... Eu me lembro de como eu senti inveja porque todo mundo tinha um destino, todos eles estavam indo para algum lugar, e eu não sabia aonde estava indo. E eu estava morrendo de medo."


O buraco da fuga, ao fundo

Boneco de Clint Eastwood, com cabelo de verdade, usado para enganar os guardas que, por entre as grades, passavam a mão no cabelo dos presos para ver se eles estavam na cela. Ao fundo, o buraco supostamente cavado com uma colher - dizem que não seria possível, porque era concreto.
Posted by Picasa

segunda-feira, novembro 07, 2005


Distribuição de Renda (Me dá um dinheiro aí!)

O brasileiro não gosta de dar gorjeta. Dá os 10% no restaurante contrariado.
Quando o serviço não é ruim. Acho que tem gente que torce para o serviço ser ruim.
Na cultura americana, a gorjeta é distribuição de renda.
Taxista ganha, barman ganha, motorista da van do hotel ganha, garçom, claro, ganha de 15% a 20%. "O que são dois ou três dólares?"
O americano de classe média pensa assim. E acha que vale a pena dar um pouquinho do seu em prol do outro, que não ganha tanto quanto ele.
A vida do outro fica melhor com a soma das "tips" e ninguém fica mais pobre por isso, é verdade. Não se trata de esmola, mas de compensação por serviço prestado.
E distribuição de renda. Talvez funcione.

sábado, novembro 05, 2005


Os poderosos chefões

Depois de ouvir a um discurso de Bill Clinton hoje, na Universidade de Minnesota, aqui vão alguns pensamentos de presidentes americanos, que continuam atuais e ilustram as paredes do Carter Center (, em Atlanta, Geórgia.

“No futuro, que procuramos fazer seguro, desejamos um mundo fundado nas liberdades essenciais do homem: liberdade de expressão, de cultuar Deus ao seu modo, liberdade do medo.” Franklin Deolano Roosevelt (

“Um homem influenciado pelas pesquisas ou que teme tomar decisões que podem fazê-lo impopular não é homem para representar o bem-estar do país.” Harry Truman
( e (

“Se não pudermos acabar agora com nossas diferenças, ao menos podemos tornar o mundo seguro para a diversidade. Pois o elo mais comum que temos é o fato de que todos vivemos neste planeta. Respiramos o mesmo ar. Todos nos preocupamos com o futuro de nossas crianças. E todos somos mortais.” JFK

“Nós já falamos o suficiente neste país sobre igualdade de direitos. Falamos por 100 anos ou mais. Chegou a hora de escrever o próximo capítulo e escrevê-lo nos livros da lei.” Lyndon Johnson (

“O único título em nossa democracia superior ao de Presidente é o título de cidadão”, Jimmy Carter (1977-1981) (
“Não pode ser dito firme demais, vezes demais ou forte demais: Enquanto eu for presidente, o governo dos Estados Unidos vai continuar a defender e estimular direitos humanos pelo mundo.”
“Nosso compromisso com os direitos humanos precisa ser absoluto. O poderoso não pode perseguir o fraco, e a dignidade humana tem de ser estimulada. O próprio mundo está dominado por um novo espírito. As pessoas estão precisando e exigindo seu lugar ao sol, não apenas o penefício de sua condição física, mas direitos humanos básicos. E porque somos livres, nunca podemos ser indiferentes ao destined liberdade em qualquer outro lugar.” Inaugural Address (Discurso de Posse, Janeiro de 1977)


O repórter (Bob Woodward - para a Revista Imprensa, edição Novembro de 2005)

Um silêncio respeitoso tomou conta da sala de jantar na sede do Washington Post, quando o homem grisalho e elegante entrou, em uma tarde de setembro. “Posso sentar aqui?”, pergunta, com voz poderosa. “Claro.”
É Bob Woodward. Ao lado de Carl Bernstein, escreveu a série de matérias que culminaram com a renúncia do presidente dos Estados Unidos Richard Nixon, em 1974. A cobertura do caso Watergate foi registrada sob o nome de “Todos os Homens do Presidente” em livro e filme - com Robert Redford e Dustin Hoffman -, e é talvez o mais clássico e bem-sucedido exemplo de investigação na história do jornalismo moderno.
Bob Woodward poderia ser um dos grandes nomes do passado, mas não. Desde então, continuou como repórter e escreveu dez livros, nove dos quais foram o número 1 em vendas nos EUA. Em 2002, recebeu pela cobertura do 11 de Setembro seu segundo prêmio Pulitzer - o primeiro foi pelo Watergate, em 1973 -, maior honraria do jornalismo Americano.
Foi descrito pelo The Wall Street Journal como “o mais celebrado jornalista desta era” e pela TV CBS como “o melhor repórter de nosso tempo. Talvez o melhor de todos os tempos.”
O Washington Post, diário que ajudou a tornar um dos mais prestigiados do país, o mantém como patrimônio há 32 anos. Goza do título de repórter e editor-executivo-assistente, mas vai ‘a redação menos de dez vezes por ano. Trabalha a maior parte do tempo em casa, em seus livros, e escolhe as poucas matérias que escreve por ano para o Post.
Ele chama o jornal de sua família.
Convidado ilustre do almoço oferecido a nove bolsistas do World Press Institute*, do qual a Imprensa participou, o reservado Woodward é celebridade mesmo entre os colegas de redação. ‘A mesa estavam o veterano colunista político do Post David Broder; o correspondente na Casa Branca Dan Balz; o editor de domingo, James Rowe; o subeditor de Internacional, Peter Eisner; e os premiados repórteres especiais Scott Higham e James Grimaldi. Mas as atenções pareciam ser dirigidas a Woodward. Todos, mesmo os do Post, queriam saber dele sobre Garganta Profunda, presidente Bush, jornalismo. Polido, aos poucos passou a transferir as perguntas. Ao fim do encontro, dois jornalistas lhe pediram que autografasse seus livros: um deles era o repórter especial do Post Scott Higham, vencedor do Pulitzer de Reportagem Investigativa em 2002. “Encontrei esta primeira edição de Todos os Homens do Presidente no porão.”
Dos últimos três livros, dois foram sobre George W. Bush e suas guerras: Bush em Guerra, sobre o 11 de Setembro e o conflito no Afeganistão, e Plano de Ataque, sobre a invasão ao Iraque. Seu estilo é revelar os bastidores da tomada de decisões na cúpula do poder com precisão e riqueza de detalhes impressionantes. A nota aos leitores é uma pequena aula de jornalismo. Descreve o processo de apuração, como obteve as informações, quantas pessoas entrevistou, se em on ou off - usa a expressão on background: pode usar a informação, mas não revelar a fonte. “Atribuí pensamentos, conclusões e sentimentos aos participantes. Estes vieram ou da própria pessoa, de um colega diretamente ligado a ele ou de documentos, confidenciais ou não”, explica no início de Bush em Guerra.
Woodward está sempre na TV, falando sobre política e seus livros. Há quem ache que se tornou conservador e que soa como se defendesse Bush. Não parece.
O livro mais recente é The Secret Man: The Story of Watergate’s Deep Throat. Conta a história de como o jovem oficial da Marinha, formado em Yale e que queria ser advogado, resolveu virar repórter - talvez em parte por influência de um senhor esguio e elegante que cruzou seu caminho em uma sala da Casa Branca. Concedeu-lhe minutos de atenção e o cartão de visitas. Era do FBI e seu nome era Mark Felt. Pode chamá-lo de Deep Throat, Garganta Profunda.
Woodward não sabia então, mas esse homem mudaria sua vida.
Seria anos depois, como vice-diretor do FBI, peça-chave na montagem do quebra-cabeças do Washington Post que levou à renúncia de Nixon, após demonstrada a participação dos principais assessores presidenciais num esquema de espionagem e sabotagem dos Democratas pelos Republicanos de Nixon, na campanha eleitoral.
O segredo da verdadeira identidade do Deep Throat foi guardado por apenas três pessoas por mais de 30 anos: Woodward, Bernstein e Ben Bradley, editor do Post de 1965 a 1991. Os repórteres investigativos Higham e Grimaldi contam com deferência que usam o exemplo de Woodward em seu favor para quebrar a resistência de fontes temerosas em colaborar. “O Post manteve a palavra por mais de 30 anos, por que não manteria novamente?”
Em junho, aos 91 anos, Mark Felt resolveu se anunciar; não ao Washington Post, mas à revista Vanity Fair, cujo editor é justamente Carl Bernstein - que não foi informado da matéria. Woodward jura que não ficou bravo com Felt, que julga estar mentalmente desequilibrado, e se diz de certa maneira aliviado. “Fiquei surpreso, não preciso nem dizer, e preocupado se tinha sido realmente ele ou a família que fez ele dizer isso.”
No dia em que a reportagem saiu, Bernstein voou de Nova Iorque para Washington D.C.. Os três se encontraram na sede do jornal, e se deram um longo e emocionado abraço na redação.
“Um editor veio até mim, me agarrou pelo pescoço e disse: Acabou, Bob!”

Na entrevista que você vai ler abaixo, concedida ‘a Imprensa e aos jornalistas do WPI, Woodward fala de jornalismo, Garganta Profunda e descreve George W. Bush com ironia mas precisão journalistica, usando exemplos anedóticos da simploriedade das respostas do presidente.

* O World Press Institute ( é uma organização independente, sem fins lucrativos, que leva anualmente dez jornalistas aos Estados Unidos para bolsa de quatro meses sobre Liberdade de Imprensa, Jornalismo e diversos aspectos da cultura americana. O programa, baseado no Macalester College, em Minnesota, inclui viagens a mais de dez estados, seminários de Jornalismo, visitas aos principais meios de comunicação dos EUA, a universidades, instituições federais e fundações. Não recebe recursos do governo americano.
Entre os brasileiros que participaram do programa estão o âncora Lucas Mendes (1969) e Caio Blinder (1986), ambos atualmente no programa Manhattan Connection, o correspondente do Estado de S.Paulo em Londres, João Fábio Caminoto (1996), e a editora de Treinamento da Folha de S.Paulo, Ana Estela de Souza Pinto (1995).

O sr. ficou chateado com o fato de Mark Felt ter revelado ser o Garganta Profunda a outra pessoa, sem avisá-lo?
De maneira nenhuma. Fiquei surpreso, não preciso dizer, e preocupado, sem saber se tinha sido uma decisão dele mesmo ou de sua família. Me dei conta de que tudo tinha acabado quando um editor me agarrou pelo pescoço na redação e disse: ‘Acabou, Bob!’. A gente confirmou que ele tinha falado mesmo naquele dia. Foi bom, porque acabou com muito mistério. Agora que todo mundo sabe, fica claro que era ele e que era óbvio. Foi melhor que tenha acontecido agora do que depois que ele tivesse morrido. Ele não está são, tem aquele olhar senil. Não fiquei chateado, mas preocupado com ele. Tanto meu advogado quanto Ben Bradlee (editor do Post durante o Caso Watergate e por 26 anos - 1965-1991) disseram a mesma coisa: ‘É uma pessoa com uma doença mental.’
Existe alguma lição de todo esse episódio?
No fim das contas, fiquei satisfeito com o desfecho. É a demonstração de que você pode ter um relacionamento com uma fonte, manter sua palavra, fazer bem o seu trabalho e obter informação importante de fontes confidenciais. É um ótimo precedente e uma prova para outras fontes de que você vai manter a sua palavra.
Como o sr. se prepara para uma entrevista?
Quando me preparo para uma entrevista, procuro saber exatamente o que quero, do que estou atrás, e tento deixar isso claro ao entrevistado. Quando pergunto sobre fatos, estou interessado em saber como a pessoa e os outros se sentiram naquele momento e por quê. Carrego sempre dois gravadores. Não confio em mim mesmo (ri).
Quando fui entrevistar o presidente Bush para um dos livros, preparei um memorando de 21 páginas para ele e Condy (Condoleeza, secretária de Estado, chanceler) Rice. Queria saber se estava certo e ter a chance de ele me confirmar ou não minha apuração. A recepção geral entre os colegas foi uma grande gargalhada. ‘Ele nunca leu nada na vida inteira’, me diziam. Mas ele leu. E porque fomos em detalhe checando o memorando eu pude pôr tudo em on, citando suas palavras.
O sr. poderia comentar o seu método de apuração e entrevista?
Um método que uso é o de reentrevistar as pessoas várias vezes. Algumas coisas elas nunca vão nos dizer. Em geral, sabemos muito pouco do que acontece no governo. Um alto personagem me disse que depois do meu livro Plano de Ataque (sobre os bastidores e as decisões sobre a invasão do Iraque), sabe-se mais ou menos 70% do que aconteceu no Iraque. O resto talvez nunca saibamos. Pode ser que nunca apareça. Também ouvi o seguinte sobre o livro: “Esta é uma história do que aconteceu. Mas você faz parecer ter mais coerência do que o fato em si, na verdade.
Quais as diferenças entre o jornalismo investigativo na época do Watergate hoje?
Acho que hoje o negócio está mais impaciente. Carl Bernstein e eu trabalhávamos na história por semanas antes de publicar. Hoje, cada vez mais gasta-se menos tempo em coisas que deveríamos gastar mais tempo. Você precisa ter uma mistura de background information (informação dos bastidores, off) e on the record. E isso toma tempo.
O sr. entrevistou o presidente George Bush e seus principais auxiliaries diversas vezes para seus livros. Na sua opinião, ele toma suas próprias decisões ou é guiado por ministros e assessores?
Estou certo de que ele toma suas próprias decisões. A resposta ao 11 de Setembro veio na maior parte de sua cabeça, foram suas as decisões. E muita gente no gabinete de Guerra da Casa Branca gostou da idéia de que tenha sido a decisão de outra pessoa. Como mostro nos livros, ele se envolve nos detalhes, como poucos, e se orgulhava de dizer que sabia cada detalhe das operações, porque ele estava em todas as reuniões importantes em que as decisões foram tomadas. No começo estava muito inseguro, mas depois, na cabeça dele, não havia ninguém que soubesse mais de 11 de setembro que ele. Ele estava no centro de tudo. ‘Posso dizer o que eu quiser, me envolvi, estive em todas as reuniões sobre o assunto’, me disse.
Mas às vezes falta alguém que o alerte, como no caso do furacão Katrina - um erro de Inteligência (informação), como o 11 de Setembro. Faltou a Bush alguém em Nova Orleans que ele teria se o furacão fosse em Texas ou Alabama, alguém que ligasse para ele e dissesse: 'George, get your ass down here! Vem para cá agora!' (ri)
Como o sr. analisa o presidente Bush?
Bush é muito objetivo. Dá respostas de 30s, 40s, vai direto ao ponto. Ele não gosta de jogar pequeno, gosta de coisas grandes, de transformações. Ele não admite seus erros, é parte de sua personalidade, mas ele aprende a partir dos erros. Saí de uma entrevista com o presidente Bush e fiquei surpreso por poder perguntar cinco vezes mais coisas que tinha planejado e estavam no memorando. Nenhum limite de tempo. No final ele disse: ‘Se quiser voltar, volte quando quiser!’ Ben Bradlee (ex-editor do Washington Post) me perguntou: ‘E aí, pegou ele na mentira?’ Mas ele é muito confiante, acredita no que faz e diz.
Qual a importância da religiosidade do presidente Bush em sua administração?
Bush tem uma linguagem corporal religiosa. Eu o pressionei por dez minutos para saber que tipo de conselho recebeu do pai (o ex-presidente George Bush) antes de ir 'a guerra contra o Iraque. Ele escapava pela tangente. ‘Falo com ele regularmente, não especificamente sobre isso.’ Até que uma hora, ele disse: ‘Quando se trata de força, eu apelo a um Pai superior.’ Comentei isso com Condy Rice e ela riu. ‘Você vive em uma bolha. É verdade, e é a mensagem que ele quer passar.’ Ele é claramente sincero e genuíno e acredita nisso. Ele tem mais camadas e é muito mais complexo que as pessoas pensam.
Quais vão ser as consequências da gestão Bush para o futuro?Perguntei ao presidente como a História o julgaria em 30 ou 40 anos, sobre a Guerra do Iraque. Ele estava no Salão Oval da Casa Branca, mãos nos bolsos. Ele tirou as mãos dos bolsos, abriu os braços, mãos espalmadas. 'História? História?... nunca saberemos. Estaremos todos mortos.' (Woodward ri) É interessante que ele tenha conseguido fazer as coisas e definir uma era sem debater as coisas. Os republicanos controlam o Congresso e a Casa Branca. Bush tem muitas camadas que não aparecem 'a primeira vista. E não sabemos o que vai acontecer e o que vai resultar de tudo isso. Imagine se daqui a 30 ou 40 anos houver mais estabilidade, menos terrorismo e democracia no Iraque. O que se vai pensar?


'Here comes the story of the Hurricane, The man the authorities came to blame...' (Bob Dylan)

Os furacões são tão frequentes na Flórida, que o Miami Herald, maior jornal da cidade, tem um plano específico para a cobertura desses eventos. Abaixo seguem as dicas de Judith Miller, editora de Geral que tem o mesmo nome da polêmica repórter do New York Times presa por não revelar nome de fonte. É ela quem organizada o esquema de cobertura de furacões do diário.
Segue uma espécie de manual, com dicas - algumas óbvias, outras nem tanto - de como se preparar para uma catástrofe anunciada.
Um segredo para o sucesso é artigo escasso: leva o nome de dinheiro.
(Aviso: É longo, mas instrutivo. Se não quiser ler, pule)

1. Definir quem faz que matérias e o espaço
2. Logística: Comunicação, gasolina, dinheiro vivo, água, comida, telefones, laptops, equipamento em geral
3. Instalações físicas: É preciso ter uma opção para o caso de o prédio do jornal ser atingido pelo desastre natural. Deve-se ter capacidade de operar, não se pode acreditar que tudo vai funcionar e o prédio vai ficar de pé, com energia elétrica.
É preciso definir como as pessoas vão se comunicar.
Também é importante ter muito dinheiro em mãos, porque em momentos como esse, de crise, os caixas eletrônicos rapidamente ficam sem dinheiro.
As bombas nos postos de gasolina também secam, por causa da intensa demanda.

1. Tenha um plano antes da estação dos furacões e o atualize duas vezes. Faça com que ele faça parte de seu orçamento anual. Inclua laptops e telefones de satélite.
2. Planeje para o pior, torça pelo melhor: falta de energia, de telefones e prédio afetado pela tormenta. Aconteceu em Biloxi, a 100 milhas de Nova Orleans, com o jornal do grupo Knight, por uma semana. O Miami Herald tem um acordo com um hotel para transferir seu equipamento para lá, no caso de necessidade. Funcionária como uma espécie de "redação reserva", outro jornal em uma área diferente.
3. Equipamento: Geradores, celulares, com baterias, adaptador de energia para carregar celulares no carro, picape com tração 4x4, com adaptador para recarregar cels e laptops. "Vencemos a competição ano passado em 4 furacões", diz Judy Miller.
As antenas de celular são afetadas e caem as linhas. Neste caso, tenha Nextel com baterias reservas. Muitas vezes, os telefones por satélite estão em "nuvens", onde não pegam. Neste caso, use os bons e velhos "orelhões", os "macacos", como chamavam os companheiros antigos. Em Miami, por exemplo, têm um sistema elétrico diferente dos outros telefones e sobreviveram a muitos furacões sozinhos. Use mensagens de texto, que continuam a funcionar por vezes quando o cel não funciona.
4. Próprios recursos de alimentação.
Tenha sempre comida e água para ao menos 48h. Barras de energia, Gatorade, tubos de vitaminas e antibióticos, kit de primeiros-socorros, roupas (descartáveis), meias, sapatos adequados e equipamento que possa ajudar - lanterna. "Um repórter carregou uma serra-elétrica... e usou!!! Disse que teve de cortar um tronco de árvore no meio do caminho." Tenha sempre uma mochila pronta com mudas de roupas para alguns dias.
5. Dinheiro vivo.
Você não pode ser o editor-chefe de um jornal e não poder ter dinheiro rapidamente, se necessário. 'As vezes é preciso dinheiro para alugar ukma lancha, um helicóptero, subornar um cara, para consertar um pneu."
6. Determinar previamente as tarefas e áreas de cobertura de cada um.
Pré-paute os repórteres por zona geográfica. Assuma que você não vai poder se comunicar com eles no meio-tempo. Pré-pautados, eles vão desenvolver certo conhecimeto sobre o local e fazer os contatos e relacionamentos necessários.
7. Os "âncoras", ou os pegadores de matérias
Mantenha os âncoras em um lugar fixo, online. Eles vão receber por telefone as informações do repórter que está na rua e escrever o texto a partir delas. Faça com que os repórteres liguem constantemente para atualizá-las.
8. Repórteres não podem sair do lugar sem gasolina. O Herald estabeleceu relação com um fazendeiro que tem uma bomba de gasolina e fornece combustível reserva para os carros do jornal quando há emergência. Tudo isso tem que acontecer com antecedêncoa: é impossível conseguir essas coisas em meio ao caos.
9. Mantenha os jornalistas seguros. Nada de heroísmo. Não se pode correr atrás de uma tempestade, tornado ou furacão. Há margem de erro de 100 milhas. Mantenha pessoas próximas a essa área, cerque-a com repórteres, deixe a tempestade acontecer, com as pessoas em segurança e então vá atrás. "Não se coloque em perigo: um repórter morto é um mau repórter", diz o editor de fotografia.
10.6. O primeiro momento é dos repórteres empreendedores e corajosos, pé-de-boi, que se viram e trazem a informação, sob qualquer circunstância. Qual é o papel da equipe de investigação? Por quê? O quê? Quem é reposnsável? Estes podem ir depois.
11.7? Dê informação-serviço.
Como obter ajuda, escolas, comida. Nessas ocasiões, os jornais se tornam ainda mais poderosos e importantes do que nunca. As pessoas estão isoladas, sem saber o que está acontecendo e querem ter notícias e entender. É o momento da utilidade pública. Antes do furacão, é preciso que o jornal avise e explique o que vai acontecer e ensine ao leitor como se preparar, ter água tratada e como evitar mortes estúpidas, por exemplo por intoxicação por monóxido de carbono de geradores. "Nós salvamos vidas", diz Judy.
12.8. Mande répórteres com bom texto - bons escritores, good writers - sem nenhuma tarefa específica - no assignment - além de encontrar histórias interessantes. Eles vão encontrar matérias surpreendentes. Nosso repórter encontrou uma mulher com câncer, que tinha perdido a casa e tudo o que tinha, inclusive o aparelho com que se tratava com quimioterapia e do qual sua vida dependia. Sua cara era o retrato da destruição.
Normalmente há mais repórteres do que fotógrafos nessas coberturas.
Queremos cobrir antes do storm. Uma vez no Hummer, o cara vai dirigir até poder transmitir todas as fotos de uma vez, com tudo o que precisamos. "Eu não quero um monte de fotos, quero o melhor. Não me interessa o que te custe. Não quero 50 fotos da mesma coisa: preciso de 3 boas imagens."
É preciso dar 'as pessoas as ferramentas para que possam ter sucesso.
Temos 5 telefones por satélite, que variam de US$ 4 mil a US$ 7 mil. Na temporada dos furações, pedimos os telefones de Washington D.C. também. Laptops, bat wings. O computador precisa estar configurado, o que leva um dia. US$ 2.600
Laptops: US$ 600-US$ 800. Os que aceitam cel SAT custam US$ 1.200 e precisam ser configurados.
Tel satélite: É preciso assinar o serviço e pagar mensalmente por ele cerca de US$ 70. A qualidade do serviço depende de onde sua base está instalada no mundo e se o local foi afetado. Qualcomm é baseada em San Juan, Porto Rico.
O preço do minuto é US$ 10. Uma foto demora de 6-8 minutos para ser trnasmitida pelo SAT. Repórteres inexperientes são colocados para trabalhar com experientes

Se algo der errado, não perca a cabeça. Algo sempre vai dar errado e coisas vão ser perdidas. Por isso é bom sempre levar dois de cada item: 2 baterias, 2 cabos de telefone...
Combine horários e pontos de encontro.
Seja amigo dos militares e do pessoal que está prestando socorro. Eles precisam ser empreendedores e tem equipamento. São os primeiros a chegar ao lugar. As agências de socorro - Bombeiros, Polícia, Cruz Vermelha - têm planos de emergência para essas situações. Pegue alguém que seja especializado. Essa pessoa vai te ligar dias antes e avisar. Eles podem te ajuda muito. Uma carona e helicóptero pode ser essencial.

sexta-feira, novembro 04, 2005


Redução do crime em Chicago

Pôster na parede de delegacia
"Violent Crime in Chicago (2004-2003)
1. 26% menos homicídios: 155, menor número desde 1965
2. Tiroteios: -39%
3. 1100 menos tiroteios
4. Mais de 10 mil câmeras nas ruas
Obrigado aos policiais, que fizeram isso acontecer."



"Believe nothing, no matter where you read it or who has said it unless it agrees with your own reasons and your own common sense." Buddha

"Live with intention. Walk to the edge. Listen hard. Practice wellness. Laugh. Choose with no regret. Continue to learn. Appreciate your friends. Do what you love. Live as if this is all there is."

terça-feira, novembro 01, 2005



Trânsito de Los Angeles. O pior sistema de transporte que já vi. O sistema público é péssimo. Como ninguém usa, ninguém sabe dar informações nem conhece as linhas de ônibus ou metrô. Demorei duas horas e três diferentes ônibus para ir até o Universal Studios, e 2h30 para voltar, usando o metrô. Os trens demoram a vir, são distantes de tudo e as informações são inexatas. Há mais de uma linha na mesma pista e quase nenhum sinal disso, o que leva ao erro. Claro, errei também e me atrasei em 40 minutos.

Posted by Picasa



Bay Bridge, liga San Francico a Oakland
Posted by Picasa



San Francisco, vista de Alcatraz
Posted by Picasa


San Francisco

Vista de Lombard Street, a rua mais tortuosa do mundo
Posted by Picasa



Regras de Segurança:
1. Trate toda arma como se estivesse carregada.
2. Nunca aponte uma arma em direção a algo que não pretende acertar.
3. Mantenha seu dedo esticado e fora do gatilho até que esteja pronto para atirar.
4. Mantenha sua arma travada até que pretenda atirar.
(Camp Pendleton, California)
Posted by Picasa


Sala de Controle, em preto e branco

Univision, maior TV em espanhol nos EUA
Posted by Picasa



É assim que os Marines treinam a pontaria em Camp Pendleton, maior base dos fuzileiros navais. Uma vez por ano, eles são submetidos a testes de tiro. Eles precisam fazer 25 pontos em 65, com alvos virtuais em distâncias diversas e armas reais adaptadas. O peso, o coice e tudo o mais são iguais, mas não sai bala. Também há armamentos mais pesados, com munição 7.62mm e 5.65mm, e exercícios em que os inimigos atiram contra eles, em videogames. "Não é a mesma coisa que atirar de verdade, exatamente, mas funciona bem", explicou um dos instrutores, sargento D'Ávila, o cara que aparece comigo segurando um fuzil de assalto M-16, em uniforme de deserto. É um dos poucos que podem usar as mangas compridas nesta época do ano. Os outros têm de usar as mangas dobradas na altura dos bíceps - é por estação do ano.
Posted by Picasa


The Frog

Este helicóptero dos Marines, conhecido como "Superfrog" ou "Battle Frog" têm sido usado desde os anos 60, no Vietnam. Este, especificamente, é de 1970 e acaba de retornar do Iraque, onde participou de 50h em missões por mês - o normal são 12h -, na maioria de resgate de feridos. Serve para transporte de tropas, até dez pessoas, e carrega macas. O motor de 1800 cavalos é capaz de levantar suas 7 toneladas - até 10 toneladas, carga incluída - e voa a 145 nós no máximo. Por dentro, é menor do que aparenta. Não tem armamento pesado nem é capaz de disparar bombas ou mísseis, diferentemente de outras aeronaves de ataque, como o Cobra - que conta com canhões de 20 mm e mísseis de precisão infravermelho. O máximo que carrega são duas metralhadoras 50mm operadas por soldados 'a porta. "É um burro de carga (working horse). Quando você acha que o Frog já fez tudo que podia, ele o surpreende com algo novo", diz o capitão Snowman, um fã do Frog e veterano do Iraque.
O piloto só vê o que está na frente. Um precário retrovisor lateral mal permite que ele veja qualquer coisa. "Não sei quando a parte traseira está chegando ao chão. Vou pela prática. Mas esse helicóptero pousa em qualquer lugar, é impressionante", diz o piloto. A vantagem é que, por não ser uma aeronave de ataque, também deixa de ser um alvo prioritário. "Não tem nenhum furo de bala. Depende do atirador, muitos não têm treinamento", explica Snowman.
A excelente manutenção dos helicópteros é apontada pelo capitão Dixon, piloto de um Cobra de combate, como essencial para o sucesso. "Nossos mecânicos trabalham um número incrível de horas. Nunca abandonamos uma missão por causa de manutenção", diz ele. Dixon, 33 anos e cuja experiência inclui aviões, tem uma explicação curiosa sobre a diferença entre voar aeronaves de asa fixa e helicópteros. "O avião quer voar; os helicopteros, há sete forças lutando umas contra as outras para ele não voar; quando todas funcionam ao mesmo tempo, dá certo", conta Dixon.
Posted by Picasa


M-16 de brincadeira

Apesar da foto, é verdade! Sou pelo desarmamento e fiquei extremamente surpreso e desapontado com o resultado do referendo. Não pude votar porque estava em trânsito, chegando a Los Angeles. Soube depois que ninguém fora do país podia participar. É inacreditável que mais de 60% dos brasileiros realmente acreditem que a venda de armas deva continuar.
São justamente essas armas compradas legalmente que matam acidentalmente crianças, irmãos, amigos e fazem de pessoas normais assassinos eventuais. Pesquisa divulgada pelo governo mostrou queda de 13% no número de pessoas mortas por armas de fogo depois do início da campanha do desarmamento. Ou acabam roubadas e servem de armamento para bandidos.
Ninguém é tolo de achar que os criminosos vão parar de ter armas, não é esse o objetivo, porque é evidente que eles vão continuar a obter as suas no mercado negro, como sempre. Mas se salvar é possível salvar algumas vidas inocentes já vale a pena.
E quem não sabe que reagir a um assalto com arma quase sempre acaba em tragédia?

Posted by Picasa


The Weather Man

Descobri o segredo na Univision: em cada um dos lados do painel há uma tela de computador com a imagem do mapa. Quando o homem do tempo está olhando para o lado e a gente pensa que ele está mirando o painel, na verdade está espiando as telas com a sua imagem sobreposta 'a do mapa... Aí fica fácil saber onde vai chover.
Posted by Picasa


Sou eu?

Caricatura feita no San Diego Zoo. Como sempre em Los Angeles, o caminho de volta demora o dobro da ida, mesmo fora da tradicional hora do rush. Aconteceu conosco duas vezes: a primeira quando fomos a Camp Pendleton, base dos Marines; a outra foi o famoso zoológico. Demorou 2h para irmos e 3h40 para voltar. Saímos de San Diego pouco depois das 15h... e chegamos 'as 19h, o trânsito irritantemente lento, carros esportes - um em cada quatro - andando a 20km por hora. Nem as pistas exclusivas para carros com mais de uma pessoa (CARPOOLS ONLY - two or more persons per vehicle), ótima idéia, dão conta. Elas também acabam congestionadas.
Posted by Picasa


Abaporu moderno

Por Tarsila do Amaral e Daniel Cavero, a bordo do estoque de bagagens do trem Chicago-San Francisco, da Amtrak.
Isso é o que acontece depois de 52h de viagem.
Posted by Picasa

segunda-feira, outubro 17, 2005


Computadores do M.I.T. ensinam 'modos' e 'etiqueta' a quem não tem

Imagine ter um celular que avisa quando você é mal-educada e agressiva com o namorado ou quando não deu a devida atenção 'a sua mulher. E o que acha de saber logo depois de uma paquera se ela ou ele gostou do seu papo? Bom, se você é um Dom Juan, um expert em relações humanas e consegue perceber pequenas diferenças no tom de voz das pessoas, ou simplesmente é avesso a tecnologias que substituam o puro contato social, talvez não precise de nada disso. Mas nos Estados Unidos, onde talvez o contato social não seja tão caloroso como nos nossos trópicos, há gente pensando nisso e "computadorizando" as relações sociais. Melhor - para quem interessar -, estão produzindo esses aparelhos que pareciam só existir em desenhos dos Jatsons ou em filmes de ficção científica.
O Laboratório de Mídia do MIT (Massachusets Institute of Technology) - em Boston, Massachusetts - é uma instituição de ponta em pesquisa científica e tecnológica no mundo e é lá que Alex (Sandy) Pentland, cientista de computes e psicólogo, desenvolveu os protótipos dos aparelhos. Pois é, eles já existem, mas ainda não estão 'a venda. "Precisamos ter aparatos muito mais sensíveis socialmente. A atual tecnologia parece estar em guerra com a sociedade: celulares interrompem conversas importantes, pagers vibram, tudo pede sua atenção. Computadores são socialmente ignorantes. Por isso desenvolvemos ferramentas para medir contexto social e ensinar a computadores comportamento social", explica Sandy Pentland.
Os "brinquedos" de Pentland e seus alunos analisam tudo isso pelo tom de voz, segundo ele, o mais poderoso canal social não-linguístico, porque é pouco sujeito ao controle consciente. Ou seja, é difícil ocultar da voz o que se está sentindo. Pentland garante que o sistema montado pelo MIT é capaz de determinar com eficiência de 85% o resultado de um pedido de aumento, se um casal vai trocar telephone em um bar (na maioria dos casos, depende da mulher), ou quem vai ganhar uma negociação comercial. "Nossa máquina ouve os sinais sociais e ignora as palavras. Como você fala é quase tão importante como o que se fala. O que analisamos são algumas das situações mais importantes de nossa vida: encontrar um parceiro amoroso, negociar salário e conseguir um emprego, por exemplo. E o grau de acertos supera o de experts em psicologia social, que é em torno de 70%", diz, animado.
Quatro características servem como indicadores principais: o nível de interatividade (participação) dos interlocutores; envolvimento na conversa, estresse na voz e "espelho" - quando uma das pessoas copia a forma de falar ou as palavras da outra, uma forma de empatia.
"A pessoa passa a ter um retorno de suas interações. Fui duro demais na minha negociação? Pareci interessado quando falei com a minha mulher? Um dos problemas que temos é que nossos sinais sociais são muitas vezes inconscientes e não sabemos como nossa voz soa aos outros. Esse feedback nos treina para nos apresentar como desejamos nas próximas situações e pode tornar as pessoas mais sofisticadas no contato social, ensinando-as a ouvir mais", afirma Pentland, ex-diretor acadêmico do laboratório.
O próprio cientista não garante ser um especialista em relações sociais. Em entrevista de meia-hora com um grupo de nove jornalistas estrangeiros do World Press Institute, da qual o DIA participou, ele perdeu a paciência com um dos repórteres, ficou vermelho e deu respostas agressivas, incitando-o a estudar um assunto antes de fazer perguntas equivocadas.
Talvez não estivesse usando uma das maquininhas que inventou.
p.s.: Esta matéria foi escrita para o jornal O DIA


O lugar da "bruxaria"

Media Lab do MIT
Posted by Picasa


Laptop de US$ 100 (R$ 238) para meninos do Brasil e do mundo

O Brasil acompanha de perto um dos principais projetos atuais do Laboratório de Mídia do MIT: o inovador computador portátil de US$ 100, projeto desenvolvido desde 1983 pelo professor Nicholas Negroponte. O objetivo é distribuir laptops em larga escala e baixo preço, para crianças de escolas de países em desenvolvimento - o Brasil lidera um grupo de parceiros. "O computador vai revolucionar o ensino no mundo e se tornar o meio pelo qual os alunos vão aprender sobre tudo: matemática, cultura e economia", diz, entusiasmado, o atual diretor-executivo do Lab, Walter Bender.
Enquanto o projeto do MIT não sai do papel, o Brasil adota um projeto até 14 vezes mais caro - Cidadão Conectado, ou Computador para todos, com o preço máximo de R$ 1.400, financiado, embora não restrito a crianças.
Visual despojado - camisa xadrez, calças bege, meias brancas furadas e tênis New Balance -, apenas o cabelo grisalho e ondulado lembra o estereótipo de um cientista. Ele já esteve no Brasil conversando com o Ministério da Educação e incentivadores do projeto, como o publisher do Grupo Estado, Rodrigo Mesquita.
Os últimos detalhes do equipamento, como a "arquitetura" do software, estão sendo definidos este mês, e o primeiro protótipo será apresentado no mês que vem, em Túnis, Tunísia. É um computador simples, com recursos básicos mas com o equipamento necessário para as crianças nas escolas, orientado para o aprendizado delas. As escolas farão a recarga dos aparelhos, principalmente nas áreas onde eletricidade não seja disponível para todos.
De acordo com o MIT, o Brasil pode começar a usá-los a partir do ano que vem.
"Como os meninos vão levar o laptop para casa, a máquina passa a fazer parte da vida deles, integrada 'a escola, 'a comunidade e 'a família. Eles precisam experimentar, acertar e errar sozinhos."
O preço baixo vai poder ser obtido pela produção em larga escala do computador, em fábricas nos paises que usarão a tecnologia.
Um dos modelos da primeira geração tem a tela com alta definição em preto-e-branco e baixa resolução colorida. "Vai ser equipamento de primeira categoria. Queremos pôr computadores nas mãos de crianças do mundo todo", resume Walter Bender.

O MIT é um dos mais respeitados e famosos institutos de tecnologia do mundo e seu Laboratório de Mídia serve para como uma espécie de centro de pesquisas de algumas das principais corporações de comunicação do planeta. Empresas como Motorolla, Toshiba, Samsung e outras "doam" US$ 40 milhões (R$ 92 milhões) anuais como patrocínio - cerca de 70% do orçamento anual do MIT, que atua nas áreas de Física, Desenho industrial, Biologia e Inteligência Artificial, entre dezenas de outras.
"Eles não patrocinam um projeto específico. O dinheiro é administrado pelo MIT. As empresas também enviam sempre profissionais de ligação que acompanham os projetos, passam tempo aqui, conversando com professores e alunos. Muitas tecnologias que vêem aqui servem de idéias ou pontos de partida para inúmeros projetos deles", explica Alexandra Kahn, relações-públicas do Laboratório de Mídia.
Como bancam as pesquisas, as empresas têm livre acesso 'as technologies desenvolvidas pelos grupos de 30 professores, 160 alunos de mestrado ou doutorado e 200 na faculdade que atuam no Lab. Entre os estudantes, há gente de 22 nacionalidades - 30% são mulheres. "Buscamos alunos brilhantes de qualquer lugar do mundo. Não importa de onde venham: o que queremos são pessoas motivadas, com altas expectativas acadêmicas, idéias inovadoras e que queiram tornar o mundo um lugar melhor", diz Alexandra.

1 - Celular com sinal de mau-humor (ou "Medidor de Grosseria")
Mulheres reclamam sempre que os maridos não prestam atenção ao que elas dizem. O "Medidor de Grosseria" tem o sistema que monitora o tom de voz do marido durante a conversa e, ao fim da ligação, emite um sinal indicando que ele não foi suficientemente atencioso ou interessado.
2 - Telefone com Personal Trainer
É um passo adiante do Medidor de Grosseria.
Como sabemos que nem sempre conseguimos comunicar aquilo que queremos e as pessoas muitas vezes nos entendem errado, seja porque estamos estressados ou por outro motivo, o Personal Trainer nos indica ao fim da chamada se fomos agressivos, amigáveis, interessados, firmes e cooperativos.
3. Combinação Perfeita:
Como negócios dependem de relações pessoais, os estilos dos vended ores e negociadores nem sempre são os mais adequate a todos os clientes. O Combinação Perfeita classifica o estilo de conversa de cada vendedor para colocá-lo em contato com o cliente certo.

Segundo Pentland, os aparelhos estão sendo negociados com grande empresas de mídia e podem estar disponíveis para venda em um ano.
(Fonte dos usos: Artigo Socially Aware Computation and Communication, de Alex "Sandy" Pentland, na IEEE Computer Society)


Paraíso das Crianças

Village do Give Kids the World
Posted by Picasa


Vitória da vida

Depois de sobreviver cinco anos em quatro diferentes campos de concentração nazistas, o menino judeu belga de 18 anos está no bosque, frente a frente com um pelotão de fuzilamento do exército nazista alemão. É 1945. Subitamente, os soldados baixam armas. “Vai embora agora! Corre!”, determina um alemão, aos gritos. Henri Landwirth corre sem parar até desmaiar. É acolhido por um casal tcheco, e sabe por eles que a 2a Guerra Mundial acabou. O saldo não é vitorioso. Sobreviveu, mas perdeu o pai, Max. O navio em que a mãe, Fannie, estava foi explodido no mar. Após meses de busca e angústia, ele encontrou a irmã gêmea, Margot, em um campo de refugiados.
O menino que passou a infância e desafiou a morte diariamente em campos de concentração e extermínio - Auschwitz, entre outros -, hoje realiza sonhos de crianças doentes terminais, de 3 a 18 anos. Vítimas de câncer, leucemia, HIV, ou doenças degenerativas, seu último desejo é ir aos parques da Disney World, na Flórida. Como ele no passado, elas não têm controle sobre a própria vida e a morte. Henri é o dono da ONG “Dê o mundo ‘as Crianças” (Give Kids the World), que todos os anos leva 6.100 famílias de meninos e meninas quase sem perspectiva de cura aos parques, por uma semana, para realizar o seu último desejo. As famílias não gastam nada.
“Amo a vida. Não era para eu estar aqui. Por tudo o que enfrentei, era para eu estar morto. Se eles quisessem me cortavam em pedaços. Minha vida inteira é um milagre, e é meu dever retribuir. E você tem de se dar - não é dinheiro, mas a sua própria essência. É isso o que faz a vida ter sentido”, diz Henri.
Não se trata simplesmente de passagens e hotelaria. A atenção é especial para cada um dos convidados. O Village de 96 casas para até 7 pessoas cada, está sempre cheio de visitantes, 100 funcionários e 900 voluntários, os “anjos”. “Sem os anjos, nós não existiríamos”, diz o gerente-geral, Mitch Goldberg. Tudo é colorido, cheio de vida, divertido. Nos 51 acres da minicidade, há lagos, campos de golfe temáticos (com dinossauros, cavernas e barulhos a cada acerto), castelos, salas de jogos, sorveteria. As áreas comuns foram construídas e doadas por empresas como Hard Rock Café, K-Mart, Universal Studios, Planet Holywood, mas não há sinal disso. “Nossa filosofia é que quem está aqui é pela missão, não para fazer propaganda”, explica Mitch. A Procter & Gamble doa sabonetes e produtos de higiene e limpeza; a Disney dá seis dias de entradas nos seus parques de diversão, os mais famosos do mundo - Disney, Universal Studios, Busch Gardens, Kennedy Space Center. “Nunca assinei um contrato, é sempre de boca”, diz Henri.
O “Dê o Mundo ‘as Crianças” trabalha em convênio com entidades chamadas de “Faça um desejo”, para crianças de 3 a 18 anos em estado crítico de saúde, normalmente vítimas de câncer, leukemia, HIV, ou doenças degenerativas, cujo ultimo desejo é ir aos parques da Flórida. Do total, 8% são estrangeiras, de 50 países, inclusive brasileiras. “Se alguém nessa situação quer vir aqui e tem autorização do médico, vamos garantir que ela venha. Nunca recusamos uma criança”, assegura Henri.
Os meninos e meninas vêm acompanhados de dois adultos, e dos irmãos, quantos forem. Ninguém paga nada. Um pedido nos EUA pode ser realizado em até 24h; um internacional pode demorar três dias. “Tempo é algo que essas crianças não têm”, afirma Mitch. Se não levaram cameras de filmar ou digitais, podem pegar emprestadas. Sorvetes, cachorros-quentes, almoços e jantares, tudo é gratuito.
Devido ao estado de saúde dos pequenos convidados, já houve casos de morte no village, mas são raros. Um ocorreu há dois meses. “Foi muito triste; tudo fica muito quieto.” O normal, entretanto, é que as crianças melhorem.
Henri considera o village mágico, um lugar onde tudo dá certo. “Deus está aqui. Casais separados vêm juntos e ‘as vezes se casam de novo. Me lembro de uma menininha muito doente, para quem os médicos previam três dias de vida. O sonho dela era conhecer a Minnie Mouse. Ela chegou e começou a correr de um lado para o outro. A mãe se assustou, e eu disse: deixa ela! Eles se esquecem de hospitais, seringas, médicos. Ela ganhou energia, vida. E viveu mais seis meses.”
Na capela ecumênica, que já abrigou até casamentos, famílias deixam mensagem de agradecimento e esperança. Na parede, próximo ao teto, nuvens azuis de papelão. Um menininho de 5 anos saiu da capela sem o cobertor que carregava por onde ia. “Cadê o seu cobertor?”, perguntou a mãe. “Joguei no paraíso (nuvens azuis): queria que estivesse esperando por mim quando eu chegar lá”, respondeu o menino.

Valores do Give kids the world:
Compaixão, Dedicação, Credibilidade, Integridade e Trabalho de Equipe

“Give Kids The World é dedicado ’a memória de todas as crianças cujo último desejo não pôde ser realizado. A cidade das crianças, construída com o compromisso altruísta e o espírito generoso de tantas indústrias e empresas, existe por apenas uma razão: servir as crianças com doenças terminais e suas famílias.
A vila pertence principalmente, e sempre pertencerá, ‘as crianças que a procuram. É uma vila onde nenhuma criança será jamais recusada e onde a família vai encontrar alegria, riso, serenidade e memórias para o resto da vida. É uma vida construída com base na palavra e em apertos de mão. Que todos os que passarem os nossos portões reconheçam que é responsabilidade de todos nós amar e cuidar de cada uma das crianças.”

Site na internet:

domingo, outubro 16, 2005


Céu de Estrelas Vivas

Mitch Goldberg, no castelo, cujo "céu" é iluminado pelas estrelas das crianças que brilharam por lá
Posted by Picasa


O homem

Henri Landswirth
Posted by Picasa


A História do Sonho Americano

Após o fim da Guerra, Henri Landwirth não queria ficar na Europa; viajou aos Estados Unidos em um navio de carga, US$ 20 na carteira. Mesmo sem falar inglês, foi recrutado pelo Exército americano. Em seguida, começou a trabalhar em hotéis, em todas as funções. Jura que subornou um contador com uma garrafa de uísque para aprender o serviço dele. “Lavei pratos, limpei privadas, fui barman. Queria ser imprescindível”, explica o senhor de 78 anos. “Nunca quis me esquecer onde estive. Me lembro até hoje da fome. Passei fome por cinco anos. Você se torna um animal.”
Ascendeu na carreira, virou gerente, gerente-geral e comprou - com outros sócios - uma franquia do Holiday Inn que abriria com a Disney World. Em 1985, tinha seis hotéis, que hospedavam crianças em situação terminal.
Quando uma viagem demorou dois meses para acontecer, e uma criança morreu sem ter o sonho realizado, Henri decidiu criar o village, em 1986.
“Tinha 59 anos, era rico, e alguma coisa aconteceu. Eu tinha de fazer alguma coisa por este país, que me deu tantas oportunidades. Então decidi abandonar os negócios e entrar no mundo da caridade. Minha vida era bem parecida com a desses meninos, eu realmente não esperava sobreviver. Há tanto ódio, preconceito no mundo, e essas crianças estão morrendo. Há coisas mais importantes para se fazer do que odiar”, ensina Henri.
“Este homem é maravilhoso”, disse a Henri Amanda Phipps, 35, mãe de Hayden, 6 anos, que se recupera de um sarcoma rabdomyo (Rabdomyosarcoma). “O senhor é maravilhoso”, ela repete para ele, e pega um autógrafo na autobiografia Dom da Vida. “Estamos nos divertindo tanto, as crianças adoram e nós também. É inacreditável”, conclui Amanda, dona de uma corretora no Texas, que viajou com o marido, Dale, Hayden, e os dois irmãozinhos, Sophie, 4, e Graham, 2.
Para Henri, a caridade é o melhor trabalho do mundo. “Quanto mais você dá, mais você tem, e a sua vida se torna maravilhosa. A vida se enche de alegria. Nunca fui tão feliz como sou hoje, ajudando as pessoas.”


Em família

Henri Landswirth com Hayden (E), Amanda Phipps e sua família. Hayden se recupera de um sarcoma
Posted by Picasa

quinta-feira, outubro 13, 2005



A Universidade de Chicago recebeu mais Prêmios Nobel que qualquer outra instituição no mundo. São 70, no total, recebidos por professores, alunos ou pesquisadores: 24 em Física, 19 em Economia ("Escola de Chicago"*, cujo principal representante é Milton Friedman, vencedor do prêmio em 1976), 14 em Química, 11 em Fisiologia ou Medicina e 2 em Literatura.

* "A Escola de Chicago é uma escola econômica que tende a defender o mercado livre, exceto no que diz respeito à emissão de moeda, que, segundo esta escola, deve ser controlada pelos bancos centrais com o objetivo de se controlar a inflação." (Wikipedia)


Alice no País das Maravilhas

A bela pintura é Mad Hatter's Tea Party, de Anne Bachelier ( ou ( Leia também texto abaixo, motivo desta imagem.
Posted by Picasa


O desafio do impossível

"There's no use trying", said Alice; "One can't believe impossible things."
"I dare say you haven't had much practice", said the Queen. "When I was your age, I always did it for half an hour a day. Why, sometimes I've believed as many as 6 impossible things before breakfast." Alice in Wonderland, Lewis Carroll (1832-1898), pseudônimo usado pelo matemático e reverendo Charles Dodgson, a partir de 1856.
(Tradução livre)
"Não adianta!", disse Alice. "Ninguém pode acreditar em coisas impossíveis."
"Ouso dizer que você não tem muita prática", respondeu a Rainha. "Quando eu tinha a sua idade, sempre fazia isso meia-hora por dia. Assim, houve vezes em que cheguei a acreditar em até 6 coisas impossíveis antes do café-da-manhã."

Acreditemos no impossível. Eis o desafio.


Gotham City

13h (!??) de quarta-feira
Posted by Picasa

quarta-feira, outubro 12, 2005


As brumas de Chicago

Arranha-céus espetam as nuvens de Illinois
Posted by Picasa


Colunas e Bandeiras

Prédio de Chicago
Posted by Picasa


Chicago River

Posted by Picasa



Hall do prédio que abriga o Chicago Reporter

Posted by Picasa

terça-feira, outubro 11, 2005


O valor do jornal não está no alto da primeira página

O New York Times custa "One dollar", como está escrito no alto de sua capa. Aos domingos, o preço passa a US$ 3.50 em NY e US$ 5 em outros estados.
O Washington Post custa US$ 35c do dia-a-dia e US$ 1.50 aos domingos.
O Chicago Tribune é US$ 1.50 aos domingos. (600 mil semana; 900-950 mil domingos)
Esses jornais no domingo são uma maçaroca, o dobro da grossura dos nossos, e pesam quilos. Impossível ler mais de um em um dia. Impossível ler um inteiro em um dia.

O Globo é R$ 2 durante a semana e R$ 3.50 aos domingos. (300 mil; 400 mil circulação)
O JB sai quase pelo mesmo preço: R$ 2 e R$ 3
O DIA é R$ 1.30 durante a semana e R$ 2,50 no fim de semana. (180 mil; 250 mil)
Folha custa R$ 2,50 durante a semana e R$ 4 aos domingos (350 mil; 430 mil)
Estadão - 2,50 segunda a sábado

Se supusermos que, comparativamente - em termos de poder aquisitivo -, US$ 1 nos EUA equivale a R$ 1 no Brasil, nossos jornais são caros.
É que aqui no Norte a mídia aceita "prejuízo" nas vendas, contando com a circulação e o dinheiro da publicidade, que corresponde a 80% da receita dos grandes jornais. A tendência é dar os jornais de graça, mas o temor é o preconceito contra produtos gratuitos. Uma vantagem deles é que quase não há despesa com jornaleiros: ou é assinatura ou são aquelas caixas de metal nas ruas que guardam e cospem diários em troca de moedas.
Alguns jornais, como o NY Times e o Chicago Tribune, já deram o primeiro passo e testam o modelo. Lançaram tablóides distribuídos gratuitamente. O do Tribune tem como foco o público jovem (18-34 anos) e se chama Red-Eye; o do Times é entregue nas estações de metrô.
(Colaborou Teresa Fayal)

segunda-feira, outubro 10, 2005


Chicago Tribune Tower

The Tribune Tower
Posted by Picasa


A Primeira Emenda, Liberdade de Imprensa

A tão falada Primeira Emenda diz respeito 'a liberdade de religião e de imprensa e está gravada na parede de entrada da redação do Chicago Tribune, na Tribune Tower, prédio de 36 andares e estilo gótico, construído em 1925.
Dez emendas compõem o Bill of Rights, o corpo de leis de direitos fundamentais do cidadão, não coberto inicialmente pela constituição, focada na formação do Estado.
Curiosidade: A falta de uma conjunção adversativa ("or") na quinta linha fez com que o texto tenha sido reesculpido na parede, apesar de o sentido não ser alterado pela omissão. "Pedimos para mudarem a Constituição, mas não quiseram, e acabamos corrigindo aqui mesmo", brinca o ex-editor do Tribune (21o), Howard Tyner, presidente do Board of Directors do World Press Institute.
O hall de entrada do Tribune - construído por uma firma de NY, que, vencedora do concurso, embolsou US$ 22 mil, uma fortuna na época - é repleto de frases de presidentes, publishers e jornalistas sobre a Liberdade de Imprensa.
"Quanto mais próximo você estiver do inimigo, tão mais próximo estará de Deus." Robert McCormick, chamado de "Coronel", o mais famoso e folclórico publisher e editor do Times, cuja benção era necessária para qualquer candidato republicano 'a presidência. O jornal mantém-se conservador hoje e endossa nos editoriais candidaturas republicanas - como a de Bush. O Coronel comandou o jornal com mão-de-ferro entre os anos 20 e 1955, quando morreu, e seu conservadorismo provocou o ódio dos negros em relação ao jornal. Construiu a Tribune Tower e fez do diário o mais lido do país. No seu tempo, o staff do Comercial não podia nem entrar na redação.

Outras frases na Torre, sobre a Liberdade de Imprensa:
"Esta é a verdadeira liberdade, quando homens nascidos livres, tendo de aconselhar o público, podem falar livres. Aquele que pode e fala, merece ser louvado; para que aquele que nem pode nem vai falar, possa manter a sua paz. O que pode ser mais justo em um estado do que isso?" Eurípedes
"A inteira e absoluta liberdade de imprensa é essencial para a preservação do Governo com base em uma constituição livre." Daniel Webster
"Deixe as pessoas conhecerem os fatos, e o país estará a salvo", Abraham Lincoln
"Dê-me liberdade para distinguir, exprimir e debater livremente de acordo com a minha consciência acima de todas as outras liberdades." Milton

Posted by Picasa


Palavras de Concreto

Entrada do Tribune
Posted by Picasa


Espelho do Céu

Millenium Park

Posted by Picasa


O Central Park de Chicago

Millenium Park
Posted by Picasa


A Cidade da Arquitetura

Se você é arquiteto, espero que já tenha vindo a Chicago. Se não veio, corra, está atrasado. Se não é arquiteto, venha também. É estonteante.
Tudo começou com o Grande Incêndio (Great Chicago Fire), em outubro de 1871, que durou 3 dias. Como a lenda da fênix (*), a cidade renasceu a partir de suas próprias cinzas.
A partir daí, a reconstrução se deu sempre com um olho na arte e na originalidade que deve norteá-la. Tudo é moderno, mesmo o antigo. A cidade pariu os primeiros arranha-céus do mundo, nos anos 20. "Foi aqui que tudo começou", escreveram os editores da Architectural Digest. Desde então, tudo é na base dos concursos de arquitetura. Pontes, prédios, esculturas. "Chicago é o lugar de origem da arquitetura moderna e é considerada pelo Instituto Americano de Arquitetos a mais importante cidade arquitetônica nos EUA", explica texto na Torre da Sears (p.s.2).
Não se fala muito de Chicago fora dos EUA. Mas aqui todos sabem que a terceira maior cidade do país é viva, rica, exuberante em arte e juventude. As ruas são belas e elegantes; a gente é bela, elegante, moderna; os prédios são belos, elegantes, modernos e imponentes.
Deixam os arranha-céus de NY para trás. Tamanho não é documento.

p.s.: Os moradores de Chicago sabem de tudo isso e, vaidosos, tem a certeza de que tudo aqui é melhor e maior que no resto do planeta.
p.s.2: Após o atentado de 11 de setembro, que destruiu as Torres Gêmeas do World Trade Center, a cidade ostenta o prédio mais alto dos EUA: é a torre da Sears (1.450 pés, cerca de 450 metros), um dos mais sem-graça. Do topo, é possível ver quatro estados diferentes: Illinois (claro), Michigan, Wisconsin e Indiana. Só vi Illinois e, mesmo assim, mal. As nuvens cobriam a cidade e a visibilidade era péssima (próxima de 0 na escala que vai até 5).

* A verdade da fênix
"Você não ouviu contar que a ave fênix renasce de suas cinzas? Pois não existe essa tal ave fênix. Fênix, phoenix em grego, significava a palmeira e uma ave, e o provérbio dizia que a palmeira renasce de suas cinzas, isto é, que se incendeia uma floresta de palmeiras e estas voltam a brotar. E os que depois ignoraram que se tratava da palmeira, atribuíram o milagre à ave."
UNAMUNO, Solilóquios e Conversações
(Colaborou Anninha Gomide)


Arte Gótica

Hall de entrada da Tribune Tower
Posted by Picasa


A Modernidade é azul

Chicago, Illinois
Posted by Picasa


Tribune Tower

O vesgo. A culpa é do reflexo dos óculos! ; )
Posted by Picasa


Subway x Mc Donald's e Burger King

No copo do Subway, vem a comparação - antes também no guardanapo -, para a gente não se esquecer, e para eles faturarem mais:
Nossos sanduíches de 6 polegadas (7 subs com 6 gramas de gordura ou menos):
..........................Gordura (g).......Colesterol (mg)........Calorias
Veggie Delight...............3...................0...................230
Peito de Peru................4.5.................20...................280
Peito de Peru e presunto.....5...................25...................290
Subway Club (3 carnes).......6...................35...................320
Peito de frango assado.......5...................45...................320

Versus (É como está no copo):
(Em vermelho)
BIG MAC..............34..................85...................590

A nota é minha: O Big Mac é quase 6 vezes mais gorduroso que o sanduíche mais gorduroso do Subway e 10 vezes mais que o menos gorduroso (frango assado); tem quase o dobro de colesterol e mais de 4 vezes mais que o de peito de peru; quase o dobro de calorias.
O Whopper é ainda pior em gordura, com mais de 6 vezes de diferença, e em calorias, mais que o dobro.
Mesmo assim, quem 'as vezes não acaba no Mc Donald's??

sábado, outubro 08, 2005


Os 7 Dogmas do Macon Telegraph

1. Watchdog - Vigilância
2. Pessoas como eu
3. Primeiro e único
4. Contar uma história
5. Utilidade
6. Fácil de aplicar e usar
7. Credibilidade

O Macon Telegraph - em Macon, Geórgia - integra o Grupo de Mídia Knight-Ridder, o segundo maior dos EUA, com 32 diários em 28 mercados americanos. São 8.5 milhões de leitores durante a semana e 12.6 milhões aos domingos.



Quarto do hotel em Atlanta
Posted by Picasa


Desenho Animado

Arte sobre o quarto em Atlanta, Geórgia
Posted by Picasa

sexta-feira, outubro 07, 2005


Segurança Máxima

United States Penitentiary in Atlanta, Georgia.
Aqui não tem brincadeira.
Posted by Picasa


A vida é dura na cadeia

Trabalho é obrigatório, presos não tem visita íntima e agentes dizem que serviço é uma moleza

Atlanta, Geórgia (Estados Unidos)
“Isso aqui não tem nada a ver com os filmes. Aquilo é pura ficção”, avisa logo o comunicativo tenente S. Daniel, agente penitenciário há 15 anos, que não gosta de filmes de prisão. A penitenciária federal (United States Penitentiary, USP) de segurança máxima em Atlanta (Geórgia), uma das maiores do País, realmente não lembra o clima pesado de gangues rivais em guerra, brigas iminentes durante o almoço e assassinatos a cada meia hora. Também não se assemelha ‘as prisões brasileiras, com suas rebeliões, reféns e drogas. Não é que se trate de um paraíso e nada disso aconteça, mas a impressão é de controle total - pelo sistema penitenciário. A última grande rebelião, com reféns, aconteceu em 1989 e durou 11 dias.
Os agentes, todos com nível superior, vestem paletó e gravata, não sofrem de estresse e ganham de US$ 34 mil até US$ 60 mil por ano. “Não temos muitos grandes problemas aqui, nossa equipe é experiente. Esse trabalho é uma moleza”, diz Daniel, surpreso ao saber que, no Brasil, seus colegas têm alto nível de estresse e alcoolismo, rebeliões são frequentes, e drogas e armas entram nas cadeias com anuência deles. Outros quatro guardas, , sorriso no rosto e semblante relaxado, deram respostas semelhantes sobre a tranquilidade no emprego.
Se é verdade, o mesmo não pode ser dito dos presos, a maioria com sentenças de mais de dez anos de confinamento ou prisão perpétua, em segurança máxima. Apesar do ambiente limpo - o chão dos salões internos brilha -, de dividirem celas de 7 metros quadrados com apenas um interno e poderem circular na galeria e assistir a TV comunitária o dia todo, os 2.400 presos da USP não têm o que celebrar. Uniformizados, todos são obrigados a trabalhar 7h30 diárias em um dos ofícios disponíveis na prisão, como a fabricação de colchões para agências federais, Forças Armadas e calças camufladas de combate para o Exército Americano (US$ 29,75 cada par).
Diferentemente das prisões do Brasil, ninguém tem a pena reduzida em um dia a cada três trabalhados. A sentença do juiz não diminui. Ganham de 22 centavos de dólar por hora até US$ 1.15, no melhor dos casos, dependendo do serviço - o salário mínimo por hora na Geórgia é US$ 5.15. Muitos mantém a família da prisão, uns investem; outros economizam para quando saírem. O salário médio é de US$ 300 (R$ ). “Eles são extremamente bons no que fazem”, diz Lizette Quiles, ex-militar e hoje gerente da fábrica Atlanta Colchões, cujos 600 funcionários fazem 10 mil peças por mês em um galpão de 100m x 100m. Há lista de espera para atuar lá. Com o furacão Katrina, a produção aumentou e internos ganharam horas-extras, pagas em dobro.
Os presos têm direito a visitas duas vezes por semana, só podem falar ao telefone por 15 minutos seguidos, com cartões telefônicos. “A ligação cai”, explica um agente.
Nada de visitas íntimas. Isso pode significar anos e anos sem sexo. Masturbação também é considerada uma “violação” das regras e rende punição na “unidade de segregação” - 23 horas trancado e uma hora de recreação por dia. O objetivo é evitar o assédio de agentes femininas por internos. “Alguns têm desordem mental e sexual e esperam uma agente passar para fazer isso”, explica a séria capitã-secretária Tovia White. “Como mulher, você tem de exigir respeito dos internos: não quero ouvir ‘qualé?’, ‘E aí?’. Tem de me chamar de Sra. White ou Sra. Thomas, meu nome de solteira. Eles sabem que posso escrever um relatório de incidente. Também evito passar entre eles quando estão em grupo, porque posso ser tocada e é difícil saber quem foi.”
Mas em geral, os presos sabem se portar, dizem os agentes. “Os mais velhos seguram os mais novos”, diz o tenente Darryl Elder, formado em Contabilidade e ex-fuzileiro naval.
Tentativas de fuga da prisão são raras, mas acontecem, como em qualquer lugar. A última foi há dois meses. “Eles são muito engenhosos, você não acredita o que eles são capazes. Fazem cordas de papel higiênico molhado”, conta Tovia. Para evitá-las, além de punição exemplar para os flagrados, a penitenciária ostenta muros de 14 metros de altura, com cercas cortantes no topo. A guarda nas cabines dispõe de fuzis M-16, pistolas 9mm e escopetas, armas também usadas para tiros de alerta a fim de dispersar brigas. Os muros de 1,5m na base e 40cm no topo. Correntes de aço cruzadas acima do pátio impedem fugas espetaculares de helicóptero, como a de Escadinha de Ilha Grande, nos anos 1980.
Toda a tecnologia não faz de criminosos bons-moços, e apesar de não dispor de estatísticas oficiais, o grau de reincidência não é baixo, diz Daniel, 15 anos de atividade. “Vejo muitos voltarem. Pergunto: ‘Você não acabou de sair daqui há dois anos?’. Eles sempre têm uma história, uma explicação. Um me disse: ‘Saí com um amigo que teve uma briga. Disseram que fui eu e acabei preso.’ Respondo: ’Você acha que sou burro ou só tenho cara de burro?’ Se você foi preso e disseram que você agrediu alguém, as chances são de que você realmente agrediu, e talvez nem houvesse amigo nenhum’. O nome do jogo é ‘Não seja pego’. Se o cara foi pego, perdeu o jogo.”


A História do Contador, ou O Contador de Histórias

Charles Severance, afável e articulado grisalho de 49 anos, se formou como contador público em Atlanta, Geórgia, onde vive até hoje. Na verdade, há 3 anos e quatro meses Severance se mudou da casa onde morava, com mulher e dois filhos. Vive hoje em uma cela da Atlanta Camp, prisão de segurança mínima no complexo da USP, de segurança máxima. A mudança não foi planejada nem desejada; o contador fraudou o fisco, crime de sonegação de imposto de renda - 'colarinho branco' -, e foi preso. Julgado, acabou condenado a 65 meses (cinco anos e cinco meses) de prisão, sentença já reduzida a 57 meses. "Foi muito injusto. Era para eu pegar de 21 a 26 meses", garante. Cumpriu 40, faltam 17. "Já me sinto na boca para sair".
A vida na Atlanta Camp não é tão rigorosa quanto na USP. De tão 'branda' em comparação com a vizinha, a cadeia é conhecida como 'Club Fed', alusão ‘a rede de resorts Club Med. Lá ficam presos primários e com sentenças mais curtas, ou outros que se qualificaram por bom comportamento e redução de pena. "Em muitas cadeias desse gênero, não há nem muros: pintam uma linha no chão que é o limite", explica o tenente E. Daniel.
Severance se apressa em dar uma explicação para o seu encarceramento. "Minha mulher sofre de esclerose múltipla e usei todo o dinheiro dos meus clientes para o tratamento dela, porque o plano de saúde não cobria os remédios nos primeiros quatro anos. Eu pegava o dinheiro e atrasava o pagamento ao fisco. Mas pagava e tinha devolvido quase tudo quando fui pego. Foi por uma causa nobre, mas sabia que estava errado e que era ilegal", conta. Ele jura que a história é real, descreve os sintomas da mulher, que diz viver em cadeira de rodas, com lesões no cérebro por conta da doença. Segundo Severance, a mulher não o perdoa, se separou após a prisão e impede seu contato com os dois filhos, de 13 e 18 anos, que não vê desde a prisão.
O tenente E. Daniel, que supervisionou o trabalho do preso desconfia da história contada ao DIA. "O crime dele é sonegação, mas, pelo que sei, ele não tem mulher nenhuma doente nem ela tem nada a ver com a história. Os detentos inventam de tudo".
O mais difícil da vida na prisão, para Severance, é enfrentar o tédio. "Não é real como os dias passam devagar aqua dentro. Trabalho por uma ou duas horas limpando o vestiário. Depois não tenho nada para fazer. Vivo um dia por vez, só penso em hoje. E mesmo para passar cada dia, tento compartimentar meu tempo, e a cada duas horas, mudo de atividade: trabalho, faço exercício, leio muito e escrevo cartas para meus amigos e família. Não vou escrever nenhum livro, porque não quero reviver isso aqui."
Nos momentos de depressão, chora no escuro, em silêncio. "Aprendi a não deixar ninguém ver. Todo mundo chora. Quando as luzes se apagam, enfio a cabeça no travesseiro e choro. Sinto falta da minha vida."
Ele diz que o ambiente da prisão é muito negativo. Reclama de segregação racial entre os próprios detentos e de que os agentes fazem com que os presos se sintam pior, com gritos e humilhações. "Somos como gado, propriedades deles. Eles implicam, mandam você andar do outro lado. Na vez seguinte, fazem o contrário. É só para encher o saco. O tenente Daniel, por exemplo, é um dos piores. Ele gosta de mim, mas todo mundo morre de medo dele." O contador, porém, consegue ver benefícios da temporada na cadeia. "Tem coisas boas; passei a valorizar a vida muito mais, fiz bons amigos que quero rever depois, e me tornei mais humilde - era bem-sucedido e meio arrogante. Não vou voltar para cá, aprendi a lição", ri.
Ele já sabe qual é a primeira coisa que vai fazer quando sair da cadeia.
"Quero ver meus filhos. Vai ser estranho. Poder dirigir meu carro e parar em um sinal vermelho, e decidir depois se vou para a direita ou para a esquerda, poder ter a liberdade de escolher o que fazer. Vai ser ótimo."

Trabalhar não é a única opção para os detentos da US Penitenciária de Atlanta. Como boa parte não completou os estudos, a prisão é uma oportunidade de fazer bom uso do tempo, que demora a passar. A escola também é obrigatória - como o trabalho. Se o preso recusar um ou outro tem como opção ficar na cela o dia todo. No ano passado, 80 completaram o nível médio em regime de supletivo, em aulas de 13h ‘as 18h.
“Muitos choram de alegria quando se formam. Eles fazem questão de tirar uma foto de formatura. Para alguns, essa é a única conquista e vitória na vida”, diz a professora Darlene Williams, supervisora da escola.
Os presos não perdem dinheiro por ir estudar. Também recebem, o equivalente ao nível 1 de pagamento por trabalho - para frequentar as aulas.
Entre os cursos disponíveis, além das matérias tradicionais, treinamento de como se portar em uma entrevista de emprego. Nas paredes, cartazes com dicas de como se elaborar um currículo - “faça em apenas uma página”, “inclua detalhes importantes, como fluência em Espanhol, por exemplo”.
A professora Darlene diz que se tivesse que optar entre ensinar na prisão ou nas ruas preferiria a cadeia. “Não toleramos nenhum tipo de indisciplina, e aqui eles sabem que podem ser expulsos da escola, diferente do que acontece lá fora. Também acho que os internos são mais focados e concentrados no estudo”, explica.
Embora a maioria dos alunos esteja em níveis elementares ou médio, há os que se candidatam a bolsas de estudos em universidades. Os cursos são ‘a distância, em programas por correspondência. “Atualmente são 12, em áreas diferentes, como Administração e Psicologia. Ajudamos a enviar o currículo e as provas. Avisamos ‘a escola que todo o material passará por nós.”



Atlanta, Geórgia, quartel-general da CNN
Posted by Picasa


I have a dream

"I have a dream that my four children will one day live in a nation where they will not be judged by the color of their skin but by the content of their character. I have a dream today."

Posted by Picasa


Free at last, free at last! Thank God Almighty, we're free at last!

Este é um dos mais belos e importantes discursos da História dos Estados Unidos.
Foi proferido por Martin Luther King, Jr., no Lincoln Memorial, em Washington D.C. (foto postada no blog em 23 de setembro), na grande marcha de 28 de agosto de 1963, por Direitos Civis e fim da segregação racial nos EUA. A página na internet inclui o áudio (comprei o DVD). É de arrepiar.

"Go back to Mississippi, go back to Alabama, go back to Georgia, go back to Louisiana, go back to the slums and ghettos of our northern cities, knowing that somehow this situation can and will be changed. Let us not wallow in the valley of despair. I say to you today, my friends, that in spite of the difficulties and frustrations of the moment, I still have a dream. It is a dream deeply rooted in the American dream.
I have a dream that one day this nation will rise up and live out the true meaning of its creed: "We hold these truths to be self-evident: that all men are created equal." I have a dream that one day on the red hills of Georgia the sons of former slaves and the sons of former slaveowners will be able to sit down together at a table of brotherhood. I have a dream that one day even the state of Mississippi, a desert state, sweltering with the heat of injustice and oppression, will be transformed into an oasis of freedom and justice. I have a dream that my four children will one day live in a nation where they will not be judged by the color of their skin but by the content of their character. I have a dream today.
I have a dream that one day the state of Alabama, whose governor's lips are presently dripping with the words of interposition and nullification, will be transformed into a situation where little black boys and black girls will be able to join hands with little white boys and white girls and walk together as sisters and brothers. I have a dream today. I have a dream that one day every valley shall be exalted, every hill and mountain shall be made low, the rough places will be made plain, and the crooked places will be made straight, and the glory of the Lord shall be revealed, and all flesh shall see it together. This is our hope. This is the faith with which I return to the South. With this faith we will be able to hew out of the mountain of despair a stone of hope. With this faith we will be able to transform the jangling discords of our nation into a beautiful symphony of brotherhood. With this faith we will be able to work together, to pray together, to struggle together, to go to jail together, to stand up for freedom together, knowing that we will be free one day.
This will be the day when all of God's children will be able to sing with a new meaning, "My country, 'tis of thee, sweet land of liberty, of thee I sing. Land where my fathers died, land of the pilgrim's pride, from every mountainside, let freedom ring." And if America is to be a great nation, this must become true. So let freedom ring from the prodigious hilltops of New Hampshire. Let freedom ring from the mighty mountains of New York. Let freedom ring from the heightening Alleghenies of Pennsylvania! Let freedom ring from the snowcapped Rockies of Colorado! Let freedom ring from the curvaceous peaks of California! But not only that; let freedom ring from Stone Mountain of Georgia! Let freedom ring from Lookout Mountain of Tennessee! Let freedom ring from every hill and every molehill of Mississippi. From every mountainside, let freedom ring.
When we let freedom ring, when we let it ring from every village and every hamlet, from every state and every city, we will be able to speed up that day when all of God's children, black men and white men, Jews and Gentiles, Protestants and Catholics, will be able to join hands and sing in the words of the old Negro spiritual, "Free at last! Free at last! Thank God Almighty, we are free at last!"

This page is powered by Blogger. Isn't yours?